20041116

Está mesmo tudo explicado!

O Francisco José Viegas, no seu Aviz, publicou, num post do dia 11 deste mês (que só agora o vi), um excerto do mais recente livro de Sidney Sheldon, onde o Presidente da República de Portugal é chantageado para pagar dois bilhões de dólares a uma misteriosa figura que tem a capacidade de controlar... o tempo (os fenómenos naturais, entenda-se). Portugal é assim fustigado por tempestades até que o Presidente aceite pagar...
Tenho a dizer que a ideia não é nova... Eu próprio, em Agosto do ano passado, quando Portugal era atacado por uma onda de calor que provocou os incêndios avancei essa hipótese. E ainda lembrei as palavras de Paulo Portas sobre a Nossa Senhora de Fátima e o "Prestige". De facto, estou na profissão errada, pois deveria andar a escrever ficção...

Para lembrar, eis o meu texto de 10 de Agosto de 2003:

"Está tudo explicado!
Ao princípio perguntei: 'Porque foi 'encomendada' esta onda de calor?' (Explico: existem satélites, ou outros mecanismos, que conseguem criar terramotos, activar vulcões e manipular o tempo. A sério.). Seria apenas pelos incêndios? Talvez. Porém, ainda assim desconfiava de que deveria haver uma outra razão. Descobri há pouco ao ver uma entrevista a um biólogo do Porto sobre a qualidade das praias, onde ele disse algo parecido com isto: 'Não há nortada, por isso a mancha negra do 'Prestige' não nos atingiu'. Então foi isso! Acham que estou a delirar ao sugerir que os nossos aliados, os EUA, conseguem mesmo controlar o tempo e evitar assim as célebres nortadas para nos ajudar? Enfim, não foi o ministro da Defesa (aquele que agora tem andado caladinho com isto dos incêndios) que disse no auge da tragédia do 'Prestige' que tínhamos de agradecer à Nossa Senhora? Os satélites existem e também andam no céu. Podem ser vistos. Quanto à Nossa Senhora, apesar da certeza ministerial, só podemos mesmo desconfiar que possa existir. Sendo assim, em quem acreditar?"

0 Comentários:

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial