20120217

Suicídios na prisão

9 Comentários:

Blogger Fernando Negro disse...

Também eu acho muito estranho este suposto suicídio.

E também eu, quando ouvi esta notícia, pensei logo nos vários casos conhecidos de pessoas que são mortas em prisões e cujo assassinato se tenta camuflar deste modo.

Se tal personagem se quisesse ter suicidado, certamente já o teria feito, antes de ficar sob custódia policial.

O Alto Alentejo é uma zona do país onde, há duas décadas atrás, um polícia que alvejasse nas costas, e matasse, quem fosse a fugir depois de tentar roubar uma loja, era apoiado pela população, por sofrer ligeiras represálias pelo sucedido.

O Baixo Alentejo é uma zona do país onde, há uma década atrás, se era agredido em plena praça central pela polícia, e na própria esquadra, simplesmente por se ser homossexual.

(Entre tantas outras histórias que continuam a ocorrer por este país fora.)

É o país de broncos, e corrupto, que temos.

Vai-se para a prisão porque os senhores com dinheiro, e que são quem manda, o querem e é-se morto quando se lá está porque tal apeteceu ao polícia ou guarda prisional que vigia.

19 fevereiro, 2012  
Blogger Fernando Negro disse...

Acabei de saber que morte foi no Estabelecimento Prisional de Lisboa... Mas a história é a mesma... E mantém-se válida para todas as zonas do país.

Também sobre o EPL, sei de vários casos de mortes misteriosas de reclusos, que eram conhecidos por desafiar a autoridade dos guardas e que depois apareceram mortos nas suas celas, supostamente por suicídio...

19 fevereiro, 2012  
Blogger Fernando Negro disse...

(E acabei de reparar...)

Histórias essas, que poderão validar a hipótese de não ter sido suicídio...

19 fevereiro, 2012  
Anonymous Anónimo disse...

Um qualquer Anónimo!

Eu estou com muita pena de se ter suicidado ou ter sido convidado para se suicidar.

Estão com pena ?

Não, mas parece.

19 fevereiro, 2012  
Anonymous Anónimo disse...

Pois eu acho que o sr. Fernando Esperança estava inocente. Quer dizer: tenho a certeza que estava inocente quando morreu. Inocento do ponto de vista jurídico, pois claro. Como não sou Deus - ou outra qualquer entidade omnipresente - não sei o que se passou na Rua de Moçambique, em Beja. Mas, por aquilo que vi, li e ouvi na Comunicação Social, ficou a suspeita de que o sr. Esperança seria o pai da sua neta de quatro anos. Com a sua morte, o MP já não vai seguir essa pista. Sendo assim, levanta-se uma dúvida. Dúvida essa que surgiu quando a Sandra Felgueiras entrevistou o namorado da filha do sr. Esperança, a Cátia. Disse o namorado que andou a perguntar a ex-namorados da Cátia sobre a paternidade da filha. E que nenhum deles era o pai da menina. O namorado é que, segundo se depreendeu, vivia obcecado com a ideia de descobrir esse segredo. E se o pai da criança fosse outra pessoa e não o Sr. Esperança? Uma pessoa importante e com poder? E que temia ser descoberta? E que poderia fazer ou encomendar o massacre? Por que não fala a advogada? O que lhe disse o sr. Esperança? Que segredos levou ele para o túmulo? Vão por mim: aquele "namorado" ainda não disse tudo!

19 fevereiro, 2012  
Anonymous Anónimo disse...

Isso já é muita teoria da conspiração !!!

Já agora, foi um gajo maçónico que a engravidou..

19 fevereiro, 2012  
Anonymous An.Nº1 disse...

Não tem nada haver com o assunto, mas decidi
partilhar.

20 fevereiro, 2012  
Anonymous An.Nº1 disse...

Não tem nada haver com o assunto, mas decidi
partilhar.

20 fevereiro, 2012  
Anonymous Ass1 disse...

Pensamento (depois de ver as noticias sobre o caso Rui Pedro):
A melhor maneira de se esconder segredos dos alegados culpados é contratar a acusação... que curiosamente usa avental e no passado defendeu alguém de uma rede internacional dessas bestas.

2º Pensamento:
Coitados dos pais, andam a ser enganados pelos "amigos" e pelos inimigos.
Que Deus alivie o sofrimento do Rui Pedro (se é que ainda vive)

22 fevereiro, 2012  

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

Hiperligações para esta mensagem:

Criar uma hiperligação

<< Página inicial