20060913

Carta aberta a Fernanda Câncio

Fernanda,

Não creio que alguma vez nos tenhamos conhecido pessoalmente, embora houvesse uma altura em que ambos trabalhamos no mesmo edifício. Fui jornalista durante oito anos no "Tal&Qual" e sempre te considerei como uma pessoa aberta e inteligente e uma jornalista que gosta de ir mais longe. Acho que tens preocupações genuínas, correctas e és sincera.
Li agora o teu "post" no Glória Fácil sobre o documentário "Loose Change", onde dizes:

"(...)ocorreu-me, sei lá, perguntar aos conspirativos autores dos ditos por que motivo deixaram fora da picture (ou, neste caso, do doc) os atentados antes e depois do 11/9. tipo, onde é que encaixam o 11 de março e o sete de julho (só para citar os casos europeus, até porque, confesso, não me lembro das datas dos outros) nesta história? ou foi uma cena copy-cat?".

Fernanda, ainda hoje não se sabe o que se passou em Madrid, mas sabe-se, por exemplo, que havia um informador da Guardia Civil entre os envolvidos chamado Rafa Zouhier. A Guardia Civil, por sua vez, era dirigida pelo general Félix Hernando, uma pessoa com ligações ao responsáveis dos GAL - que, como te poderás lembrar, vieram contratar ao hotel Ritz três mercenários portugueses. E um deles até era segurança na embaixada dos EUA em Lisboa.
Sim, Fernanda, há o padrão da ligação entre terroristas e as autoridades policiais locais. Tal como no 11 de Setembro...
Em Londres também tens o mesmo padrão. Essas ligações muito duvidosas entre os terroristas e as autoridades inglesas, como se pode ver neste caso, quase provocaram um conflito diplomático entre a Inglaterra e a França.
Fernanda, presumo também que tenhas ouvido ontem o Mário Soares na RTP1 dizer que é contra teorias da conspiração, mas que é favor da clareza. Pois também eu, pois também tu, acredito. E pois somos todos nós.
Detesto teorias da conspiração, ao contrário de alguns jornalistas que confessam ter "fascínio". Para mim, que tanto faz, as teorias da conspiração aparecem como uma reacção natural da parte de pessoas normais e inteligentes quando os jornalistas se demitem das suas funções, mas querem manter o emprego, percebes?
Tu tens fontes bem colocadas. Porém, compreendo que não queiras desgraçar a tua vida com perguntas que não devem ser feitas, no entanto, por favor, respeita quem ainda acredita que vale a pena lutar pela TUA Liberdade, que afinal é a mesma de todos nós.
Se precisares de uma pista para entenderes o que quero dizer, lê o relatório da VIII Comissão de Inquérito Parlamentar de Camarate. Está lá o início do 11 de Setembro. Exagero meu? Deixa-me sorrir com piedade, mas as ligações entre Irão, tráfico de armas, CIA, George Bush (pai, chefe da CIA entre 1976 e 1977 e candidato a vice-presidente dos EUA em 1980), estão lá. E é um relatório feito pela nossa Assembleia da República, dias depois do Jorge Sampaio ter demitido Santana Lopes.
Não é um filme na Internet.

1 Comentários:

Blogger Biranta disse...

ATENÇÃO
O documentário Loose Change, narrado e legendado em português, vai ser transmitido novamente, no canal 2 da RTP, na próxima quinta-feira, ou seja, amanhã, às 24H00 (ou 00H00 horas de sexta-feira). Bem, é na noite de quinta para sexta às 00H00.

Não percam, preparem-se para gravar e passem palavra.

Confiram a programaçao anunciada.

Como sabem, "Loose Change" é um documentário que aborda algumas das evidências da existência de Conspiração a 11 de Setembro de 2001. Demonstra, sem margem para dúvidas, que os atentados foram um "inside job", planeados e executados com precisão militar, coisa que não estava nem está ao alcance de Bin Laden e da Al-Qaeda.

13 setembro, 2006  

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial