20100507

"Estado de Segredos" em notícia

Portugal: Livro revela que 25 de Abril anulou parcialmente efeito de "cacha" jornalística

Lisboa, 06 mai (Lusa) - O 25 de abril condicionou o efeito político do exclusivo de um jornal britânico, segundo o qual mercenários rodesianos participaram nos massacres ocorridos em dezembro de 1972 em Moçambique, disse hoje à Lusa o jornalista Frederico Duarte Carvalho.

Autor do livro "Estado de Segredos", que vai ser lançado sábado na Feira do Livro de Lisboa, Frederico Duarte Carvalho disse à Lusa que ficou "surpreendidíssimo" quando teve acesso à "cacha" jornalística do diário britânico The Guardian, da edição de 23 de abril de 1974.

"Fiquei surpreendidíssimo quando numa simples busca pelos arquivos da Internet, que já há alguns tempos começaram a ficar disponíveis nalguns dos grandes jornais", disse.

A notícia do The Guardian, retomada um dia depois pelo The Times, outro diário britânico, era assinada pelos jornalistas Peter Niesewand e António Figueiredo e "acusava Lisboa de ter dado 'licença para matar' a mercenários da Rodésia, país liderado por Ian Smith", lê-se no livro.

"Depois do livro estar feito, há umas duas semanas, comecei a reparar que esta situação é realmente um dos segredos deste Estado", disse à Lusa Frederico Duarte Carvalho.

"Ao analisar o contexto em que a notícia é publicada e ao analisar o facto dela nunca ter cá chegado a Portugal, eu proponho uma especulação: se por acaso esta notícia foi difundida por pessoas próximas do (então general António de) Spínola, serviram-se dessa forma para fazer a chantagem ou para garantir que as tropas do (general) Kaúlza de Arriaga não avançassem contra as tropas do Spínola naquele dia 25 de abril", considerou.

O golpe militar em Lisboa, dois dias depois, poupou o país a um julgamento público e internacional", sintetizou Frederico Duarte Carvalho no livro.

O Guardian publicou integralmente o relatório secreto, "elaborado por militares portugueses, que confirmava, pela primeira vez, no seio do exército português", os massacres de Wiriamu e Chavola, perto de Tete, em Moçambique.

Estes massacres, "denunciados pelo padre Adrian Hastings, em junho de 1973, na véspera da visita oficial de (Presidente do Conselho de Ministros) Marcelo Caetano a Londres (...) destruíam a legitimidade das ações militares portuguesas na defesa dos interesses coloniais em África", lê-se no livro.

EL.

Etiquetas: , , , , ,

1 Comentários:

Blogger Filho de Puta disse...

E neste "ESTADO DE SEGREDOS" onde entra o segredo do roubo à Coroa Britânica?
Porque calaram o Rui Mateus?

08 maio, 2010  

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

Hiperligações para esta mensagem:

Criar uma hiperligação

<< Página inicial