20080317

"No final, há uma criança que aparece"

"O Enigma da Praia da Luz" - Press Release da editora Guerra&Paz:

CINCO PERGUNTAS

A

FREDERICO DUARTE CARVALHO

Pergunta - "O Enigma da Praia da Luz" é uma ficção baseada no caso Madeleine McCann ou é o caso Madeleine McCann contado debaixo da capa da ficção?
Frederico Duarte Carvalho – Não posso negar uma evidência, mas esta é claramente uma ficção baseada em factos reais que, enquanto jornalista, tive a oportunidade de investigar durante o ano passado na Praia da Luz, Algarve. Não estou a criar nada de novo.

P - Como assim?
F.D.C. – Lembro-me, por exemplo, António Tabucchi que ficcionou a história da morte na esquadra de Sacavém no livro "A Cabeça Perdida de Damasceno Monteiro". É importante fixar certos casos mediáticos através de uma ficção e este livro preenche essa necessidade.

P - Porquê uma ficção em vez de um livro jornalístico?
F.D.C – Porque o caso ainda está aberto e não é possível chegar a uma conclusão. Mas, através de uma ficção, apresento uma história com princípio, meio e fim. Não posso adiantar muito sobre o enredo, mas revelo já que, no final, há uma criança que aparece.

P - Este caso é extremamente mediático e sensível. Está consciente dos riscos públicos de explorar o drama dos pais de Madeleine McCann?
F.D.C. – Como jornalista estou de consciência tranquila, pois sei que fiz o meu trabalho para que fosse encontrada uma solução em relação ao drama dos pais. Aliás, foi graças ao trabalho e ao esforço de jornalistas como eu que os pais puderam contar com a divulgação dos seus apelos em todo o mundo e beneficiar de avultados apoios financeiros para a busca da criança. E, obviamente, nunca me passou pela cabeça dizer que os McCann exploraram os jornalistas.

P - Teme poder vir a ser processado pelos pais de Madeleine?
F.D.C. – Sei que os pais decidiram processar alguns jornais ingleses e isso fez com o caso perdesse impacto público. O livro é uma ficção e fala de factos que todos nós conhecemos dos jornais, mas apresenta uma história centrada na investigação de um jornalista e da sua companheira. Tenho a certeza que, tanto os leitores, como os pais de Madeleine McCann, irão perceber muito bem o que se passou.

Etiquetas: ,

5 Comentários:

Blogger Ex-grooviado disse...

Onde posso comprar isso online? FNAC?

Cumps.

18 março, 2008  
Anonymous Ritinha disse...

Epá por favor...uma auto-entrevista?!?!?!?!
E uma pergunta como "porque raio perde tempo a criar livros que se aproveitam de estórias alheias em vez de puxar pelos neurónios e arranjar um tema seu, realmente de ficção?"

18 março, 2008  
Anonymous Anónimo disse...

Os livros feitos a partir de histórias alheias são dos melhores que já li. Se assim não fosse as livrarias fechavam.
A realidade é bem mais importante que a ficção e fricciona mais as almas.
Ou será que a Ritinha prefere romances de cordel onde o amor é lindo?

18 março, 2008  
Anonymous Anónimo disse...

Desculpe..
Não assinei

Ana Borges

18 março, 2008  
Blogger Eduardo Fafiães Peres disse...

O bom jornalista alcança sempre a resposta desejada. Dominaste a fera.

Parabéns!

24 março, 2008  

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

Hiperligações para esta mensagem:

Criar uma hiperligação

<< Página inicial