20040829

História mundana de Espanha

Há cerca de um mês, a "Focus" publicou um artigo, assinado por Paulo Pizarro, onde este jornalista analisava um livro do director do diário espanhol "El Mundo", Pedro J. Ramiréz, chamado "El Desquite" (A Desforra).
No dito artigo estava lá um detalhe que me chamou atenção... mas já lá vamos.
Comprei o tal livro no nosso "El Corte Inglés" e li-o como se fosse um romance de aventuras (aviso: aquilo ainda tem pouco mais de 600 páginas...).
Pedro J. Ramírez começou a investigar as acções do grupo GAL contra a ETA, ou seja, o terrorismo ilegal do Estado espanhol através dos seus serviços secretos na altura em que o país vizinho era governado pelo PSOE de Filipe González.
No caso dos GAL, recorde-se, há ainda referências a mercenários portugueses...
O diário "El Mundo" seria fundado em 1989 por Pedro J. Ramírez, sete meses depois de ter sido demitido do "Diario 16", precisamente devido à investigação ao caso GAL.
Pedro J. Ramírez, para além de ser casado com a famosa estilista espanhola Ágatha Ruiz de la Prada, é ainda um conhecido amigo pessoal do antigo primeiro-ministro espanhol e líder do PP, José María Aznar. As investigações do "El Mundo" ao caso GAL, onde havia o envolvimento de altas figuras do Estado, incluindo o próprio Felipe González, ajudaram à ascenção do PP e à vitória nas eleições de 1996.
Este livro, "El Desquite", analisa os primeiros quatro anos do governo de Aznar (entre 1996 e 2000), sendo a continuação de uma outra obra de Pedro J. Ramírez, "Amarga Vitória", onde o autor conta as investigações dos GAL até às eleições de 1996.
Feita esta introdução, vamos ao tal detalhe que me chamou a atenção.
Pedro J. Ramírez arranjou muitos inimigos no PSOE e nos serviços secretos espanhóis. Em 1997 foi alvo de uma armadilha, onde o gravaram a ter relações sexuais "pouco ortodoxas". A gravação foi feita às escondidas e a cassete vídeo seria mais tarde divulgada de uma forma anónima. Mas este ainda nem sequer é o detalhe...
O detalhe é que, no meio desta operação, ainda havia a ideia de forjar acusações contra si de pedofilia, de modo a que ele viesse a ser preso preventivamente e ficasse com a reputação manchada...
Isto aconteceu há poucos anos. Aqui ao lado, em Espanha. Acrescente-se que este plano nunca chegou a avançar, porém os responsáveis pela realização e distribuição do vídeo sexual foram condenados, entre eles um antigo assessor de Felipe González com ligações aos serviços secretos...
Agora, ao ler o Área 15 deparei-me com esta reportagem do "El Mundo" sobre a investigação aos atentados em Espanha a 11 de Março. Senti que o texto reflectia uma linha do "El Mundo", no qual faz parecer que teriam sido certas células dentro dos serviços secretos espanhóis, fiéis ao antigo poder dos anos do PSOE, que manipularam as informações fornecidas a Aznar (apontando primeiro a ETA e depois mudando para a "pista islâmica") e que retirariam ao PP a vitória nas eleições do dia 14.
Tudo cheira mal. Cá em Portugal as coisas também cheiram mal, com isto das cassetes e do caso da Casa Pia com os políticos, diplomatas e serviços secretos... Mas, em Espanha, aquilo é mais a sério...

0 Comentários:

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial